O cooperativismo brasileiro tem atuado de forma propositiva e significativa para o alcance das metas globais de sustentabilidade e de desenvolvimento social. Alinhado e cumprindo os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 30, da Organização das Nações Unidas (ONU), o coop brasileiro foi convidado a expor, mais uma vez, suas iniciativas na Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, que já está em sua 27ª edição, a COP27. A cúpula esteve reunida no Egito, entre os dias 6 e 20 de novembro, e contou com participação de cerca de 200 nações.

 

As cooperativas expositoras foram indicadas pelos ministérios do Meio Ambiente (MMA) e de Minas e Energia (MME). Para falar sobre o agro sustentável, o ministro do Meio Ambiente acionou as cooperativas CCPR (MG), Coopercitrus (SP), Cocamar (PR) e Coplana (SP), que apresentaram suas ações em defesa de um ambiente produtivo mais sustentável. A MinasCoop Energia foi convidada para expor seu programa de energia fotovoltaica, que conta ainda com viés social atribuído à doação de parte da energia produzida para entidades filantrópicas da região.

 

As exposições das coops e suas estratégias podem ser reverberadas em todo o mundo, pois tratam da utilização de energia renovável, a chamada energia verde; da preservação do meio ambiente, bem como da recuperação de áreas degradadas, de nascentes e de florestas. O coop agro já se consolida como referência na econômica de baixo carbono, com adoção de estratégias sustentáveis e reaproveitamento de dejetos. Entre outras ações, o coop demonstrou que é possível construir um futuro mais produtivo, socialmente justo e ambientalmente mais correto.

 

Destaques da COP

 

Para minimizar os impactos dos efeitos das mudanças climáticas, especialmente, em países mais vulneráveis, a cúpula criou o fundo de redução de perdas e danos, como forma de compensar financeiramente as nações vulneráveis afetadas. No entanto, os critérios de repasse e volume de recursos, por exemplo, serão definidos somente no próximo ano, durante a COP28. Países afetados por adversidades climáticas poderão ser beneficiários do fundo, principalmente os que sofrem com elevação do nível do mar, como os países ilhas; tempestades graves e outros efeitos de destruição irreparável oriundos das mudanças climáticas.

 

Sobre a temperatura global, a COP27 reafirmou a meta estabelecida em 2015, na COP21, com o Acordo de Paris. Continua definido que o aumento da temperatura global está fixado no limite de 1,5°C até o final do século. Para isso, a mitigação de emissões de gases de efeito estufa (GEE), adaptações nas atividades dos países e o financiamento para os mais vulneráveis se adaptarem permanecem no roteiro para manter a temperatura do planeta estável.

 

Fonte: Sistema OCB